domingo, 25 de dezembro de 2011

Para isso fomos feitos



Poema de Natal

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados

Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Vinicius de Moraes

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O Hobbit - Uma Jornada Inesperada: o primeiro trailer saíra quarta-feira.


Warner Brothers confirmou na sua conta no Twitter  que o primeiro trailer de O Hobbit - Uma Jornada Inesperada será exibido antes de As Aventuras de Tintim, que estreia no dia 21 de dezembro nos EUA. Além disso, o filme acaba de ganhar mais uma imagem. Veja Bilbo e os anões abaixo.





Uma Jornada Inesperada, a primeira parte O Hobbit, chega aos cinemas exatamente daqui a um ano, em 14 de dezembro de 2011, e o Bleeding Cool publicou a sinopse oficial do filme. Veja abaixo:

"A aventura segue a jornada de Bilbo Bolseiro, que é levado à épica missão de retomar a posse do reino dos anões, Erebor, do dragão Smaug. Abordado inesperadamente pelo mago Gandalf, o Cinzento, Bilbo se encontra no meio de treze anões liderados pelo guerreiro Thorin Escudo-de-Carvalho. A jornada os levará ao desconhecido, por terras repletas de Goblins e Orcs, lobos selvagens, aranhas gigantes, metamorfos e feiticeiros.

Apesar de sua missão estar no leste, nas desoladas terras da Montanha Solitária, primeiro eles devem passar pelos túneis dos Goblins, onde Bilbo encontra a criatura que mudará sua vida para sempre, Gollum.


Aqui, sozinho com Gollum, às margens de um lago subterrâneo, o discreto Bilbo Bolseiro não apenas descobre sua astúcia e coragem, mas toma posse do "precioso" anel de Gollum, um objeto com inesperadas qualidades. Um simples anel que muda o destino da Terra Média de formas que Bilbo não consegue nem começar a compreender".


Peter Jackson dirige a partir do roteiro que ele escreveu com Fran WalshPhilippa BoyensGuillermo del Toro. A primeira parte de O HobbitUma Jornada Inesperada, estreia em 14 de dezembro de 2012 e a segunda, There and Back Again, em 13 de dezembro de 2013. O trailer do filme chega ainda em 2011 e será exibido antes de Tintim, nos EUA.

sábado, 17 de dezembro de 2011

O amanhã, o amanhã, o amanhã


Por William Shakeaspeare


Orson Wells in  Macbeth (1948)

(Cena V: Dunsinane. No interior do Castelo)

Entram: Macbeth, Seyton e soldados, com tambores e bandeiras.


MACBETH - Desfraldai nossas bandeiras nas muralhas exteriores. Continuam gritando: “estão próximos!”; mas a força de nosso castelo rirá com desprezo do assédio. Que fiquem aí, até que sejam devorados pela fome e pela febre! Se não estivessem reforçados por aqueles que deveriam ser nossos, teríamos podido ir ousadamente ao encontro deles, barba a barba, e tocá-los, derrotados, de volta para seus lares. (Gritos femininos no interior.). Que barulho é esse?


SEYTON - São gritos de mulheres, meu bom senhor. (Sai)


MACBETH - Já quase me esqueci do sabor do medo. Houve tempo em que um grito ouvido durante a noite teria gelado meus sentidos, em que todos os meus cabelos ficariam em pé com o relato de alguma desgraça, eriçados e trêmulos, como se estivessem animados de vida. Saciai-me de horrores! A desolação, familiar a meus pensamentos de morte, já não produz em mim qualquer emoção... (Volta Seyton.) Qual o motivo da gritaria?


SEYTON - Morreu a rainha, meu senhor.


MACBETH - Deveria ter morrido mais tarde. Haveria, então, lugar para uma tal palavra!... O amanhã, o amanhã, o amanhã, avança em passos mesquinhos, dia a dia até a última sílaba do tempo que se recorda, e todos os nossos ontens iluminaram para os loucos o caminho da poeira da morte. Apaga-te, apaga-te, vela fugaz! A vida não nada mais é do que uma sombra que passa, um pobre louco que se pavoneia e se agita por uma hora no palco em cena e, depois, nada mais se ouve. É um conto contado por um idiota, cheio de som e fúria, significando nada. (Entra um mensageiro) Vens para fazer uso da tua língua? Conta tua história, depressa.

MENSAGEIRO - Meu gracioso senhor, desejaria contar que vi o que digo, mas não sei como fazê-lo...


MACBETH - Fala. então, homem.


MENSAGEIRO - Quando estava de guarda na colina, olhei para os lados de Birman e, de repente, tive a impressão de que a floresta começara a mexer-se.

MACBETH - Miserável mentiroso!


MENSAGEIRO - Que eu sofra as consequências de vossa ira, se não estou dizendo a verdade! A três milhas daqui, podereis vê-la caminhando nesta direção. Torno a repetir: um bosque em movimento.


MACBETH - Se estiveres mentindo, sereis pendurado vivo na árvore mais próxima, até que a fome te desseque. Se for verdade o que estás dizendo, não me importa que faças comigo a mesma coisa!... Fraqueja minha resolução e começo a suspeitar do equívoco do demônio que mente debaixo da máscara da verdade. “Nada temas, até que o bosque de Birman caminhe para Dunsinane.” E agora, um bosque se dirige em direção a Dunsinane. Às armas! Ás armas! Saiamos! Se for verdade oque este homem afirma, não haverá qualquer meio de fugir ou de ficar!... Estou começando a ficar cansado do sol e com vontade, agora, de que a máquina do Universo se reduza a migalhas!... Soai o sino do alarma!... Sopra, vento! Vem, destruição! Quero pelo menos morrer com o arnês às costas. (Saem).


Da peça “Macbeth” (Cena V do Ato Quinto). In William Shakespeare. Obra Completa. Vol. 1. Rio de Janeiro, Editora Nova Aguilar, 1989 (Cotejei a tradução com o texto em inglês da The Harvard Classics, vo. 46. New York, P. F. Collier & Son Co., 1938 - JCR).


Fonte: Vermelho

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Juiz federal suspende a própria decisão e permite retomada das obras de Belo Monte


Débora Zampier
Repórter da Agência Brasil
Brasília - O juiz federal Carlos Eduardo Castro Martins, da 9ª Vara Federal no Pará, determinou hoje (16) que sejam retomadas as obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. A decisão revoga liminar do próprio magistrado, que havia suspendido, em setembro, as obras da usina no curso do Rio Xingu por entender que ameaçavam o transporte da população local e poderiam causar danos ambientais irreversíveis.
A União e o Consórcio Norte Energia S.A. (Nesa) argumentaram, no recurso, que a obra não impedirá o trânsito de embarcações pesqueiras, uma vez que estão previstos mecanismos de transposição provisórios e definitivos, quando a usina já estiver em funcionamento.
Para o magistrado, o consórcio também provou que estão sendo desenvolvidos projetos de preservação de espécies, como aquicultura de peixes ornamentais. Ele ainda lembra que muitas dessas solicitações só serão cumpridas ou poderão ser medidas quando a obra estiver em andamento ou já concluída, já que, atualmente, tudo é baseado em estudos prévios.
"Ora, se a navegação não será impedida, uma vez que estão previstos projetos de transposição de embarcações provisórios e definitivos, e se os eventuais impactos nos habitats da ictiofauna [dos peixes] serão localizados e temporários, podem os pescadores exercer suas atividades na própria Volta Grande do Xingu ou em outro local”, concluiu o juiz.
Com a decisão, estão liberadas as obras no leito do Rio Xingu, como implantação de portos e barragens,  explosões, escavação de canais e outras intervenções necessárias para a construção da hidrelétrica.
Edição: Vinicius Doria